Blog da REBOB

Groenlândia perdeu gelo a uma taxa sem precedentes em 2019; Antártica continua a perder massa

Durante o verão ártico excepcionalmente quente de 2019, a Groenlândia perdeu 600 bilhões de toneladas de gelo, o suficiente para elevar o nível do mar global em 2,2 milímetros em dois meses. No pólo oposto, a Antártica continuou a perder massa no penhasco do Mar de Amundsen e na Península Antártica, mas viu algum alívio na forma de aumento da neve na Terra da Rainha Maud, na parte oriental do continente.


Uma fotografia aérea tirada em 10 de setembro mostra lagoas derretidas formadas nas fendas do gelo altamente deformado na superfície da Geleira Jakobshavn, no centro-oeste da Groenlândia. Um estudo recente de cientistas da UCI e do Jet Propulsion Laboratory da NASA descobriu que a grande massa terrestre perdeu 600 bilhões de toneladas de gelo no verão de 2019, elevando o nível do mar global em 2,2 milímetros. Linette Boisvert / NASA


University of California, Irvine*

Essas novas descobertas e outras de glaciologistas da Universidade da Califórnia, Irvine e do Jet Propulsion Laboratory da NASA são objeto de um artigo publicado hoje na revista Geophysical Research Letters da American Geophysical Union.


“Sabíamos que o verão passado tinha sido particularmente quente na Groenlândia, derretendo todos os cantos da camada de gelo, mas os números são enormes”, disse a principal autora Isabella Velicogna , professora de ciência de sistemas terrestres da UCI e cientista sênior do JPL.


Entre 2002 e 2019, a Groenlândia perdeu 4.550 bilhões de toneladas de gelo, uma média de 268 bilhões de toneladas por ano – menos da metade do que foi derramado no verão passado. Para colocar isso em perspectiva, os residentes do condado de Los Angeles consomem 1 bilhão de toneladas de água por ano.


“Na Antártica, a perda de massa no oeste continua inabalável, o que é uma péssima notícia para o aumento do nível do mar”, disse Velicogna. “Mas também observamos um ganho de massa no setor Atlântico da Antártida Oriental causado por um aumento na queda de neve, o que ajuda a mitigar o enorme aumento na perda de massa que vimos nas últimas duas décadas em outras partes do continente”.


Ela e seus colegas chegaram a essas conclusões no processo de estabelecer a continuidade dos dados entre a missão por satélite recentemente desativada de Recuperação da Gravidade e Experimento Climático e seu novo e aprimorado sucessor, o GRACE Follow-On.


Um projeto da NASA e do Centro Aeroespacial Alemão, os satélites gêmeos GRACE foram projetados para fazer medições extremamente precisas das mudanças na gravidade da Terra. A sonda provou ser particularmente eficaz no monitoramento das reservas de água do planeta, incluindo gelo polar, níveis globais do mar e águas subterrâneas.


A primeira missão GRACE foi implantada em 2002 e coletou dados por mais de 15 anos, uma década a mais do que a vida útil pretendida. No final deste período, os satélites GRACE começaram a perder energia da bateria, levando ao fim da missão em outubro de 2017.


O GRACE Follow-On – baseado em uma tecnologia semelhante, mas também incluindo um instrumento experimental usando interferometria a laser em vez de microondas para medir pequenas alterações na distância entre a nave espacial gêmea – foi lançado em maio de 2018. A lacuna entre as missões tornou necessário Velicogna e sua coorte para testar a compatibilidade dos dados acumulados pelas missões GRACE e GRACE-FO.


“É ótimo ver como os dados estão alinhados na Groenlândia e na Antártica, mesmo em nível regional”, disse ela. “É uma homenagem aos meses de esforço das equipes de projeto, engenharia e ciência para tornar o empreendimento bem-sucedido.”


Além dos cientistas da UCI e da NASA JPL, o projeto de continuidade de dados GRACE e GRACE-FO envolveu pesquisadores da Universidade de Grenoble da França, da Universidade de Utrecht da Holanda e do Centro de Ciência Polar da Universidade de Washington.


Referência:


Velicogna, I., Mohajerani, Y., Geruo, A, Landerer, F., Mouginot, J., Noel, B., et al. ( 2020). Continuity of ice sheet mass loss in Greenland and Antarctica from the GRACE and GRACE Follow-Onmissions. Geophysical Research Letters, 47, e2020GL087291. https://doi.org/10.1029/2020GL087291


* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 19/03/2020


0 visualização

A Rede Brasil de Organismos de Bacias Hidrográficas - REBOB é uma entidade sem fins lucrativos constituída na forma jurídicos de Associação Civil, formada por associações e consórcios de municípios, associações de usuários, comitês de bacia e outras organizações afins, estabelecidas em âmbito de bacias hidrográficas.

Design & Marketing Digital

Criatividade Coletiva - Inteligência de Marketing para Eventos
  • Telegram
  • LinkedIn App Icon
  • Wix Facebook page