top of page
Sumário da água

Blog da REBOB

Igam participa de assinatura de compromissos para proteção hídrica da Região Metropolitana de BH

Igam participa de assinatura de compromissos para proteção hídrica da Região Metropolitana de Belo Horizonte


Foto: MPMG/Divulgação

Foi lançado nesta sexta-feira (10), em Belo Horizonte, o Projeto Água & Sustentabilidade: Segurança Hídrica para a Região Metropolitana de BH. A iniciativa visa assegurar o acesso contínuo à água limpa e suficiente para cerca de 5 milhões de pessoas em 34 municípios da Região Metropolitana de Belo Horizonte, com investimentos previstos de quase R$ 4 bilhões. O Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) também participou com a assinatura do 6º aditivo do Termo de Compromisso Água.


O 6º aditivo prevê a repactuação definitiva de prazos e escopos para cumprimento de obrigações voltadas à segurança hídrica da RMBH. Além disso, a assinatura do documento prevê ainda a pactuação de novas medidas de natureza socioambiental, com ênfase na proteção e preservação dos mananciais que abastecem a região.


Além do 6º aditivo do Termo de Compromisso Água, também foi firmado um Acordo de Cooperação Técnica em prol da proteção hídrica da região. O projeto tem a participação do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), Governo do Estado de Minas, Ministério Público Federal (MPF) e Defensoria Pública de Minas Gerais (DPMG).


Participaram da cerimônia o procurador-geral de Justiça Adjunto Institucional, Carlos André Mariani Bitencourt, o coordenador do Centro de Apoio Operacional de Meio Ambiente (Caoma) do MPMG, Carlos Eduardo Ferreira Pinto; a secretária de Estado de Planejamento e Gestão, Luísa Barreto; a defensora pública-geral do Estado, Raquel Gomes de Sousa da Costa Dias; o subcorregedor-geral do MPMG, Elias Paulo Cordeiro; o presidente da Comissão de Meio Ambiente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, deputado Tito Torres; o procurador do Estado, Lyssandro Norton Siqueira; o diretor-geral do Igam, Marcelo da Fonseca; a presidente da Associação dos Familiares das Vítimas e Atingidos pelo Rompimento da Barragem de Brumadinho (Avabrum), Andresa Aparecida Rocha Rodrigues entre outros convidados.

Acordo de Cooperação Técnica (ACT)


O Acordo de Cooperação Técnica (ACT), firmado entre a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra), Secretaria de Estado e Desenvolvimento Econômico (Sede) e Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), com interveniência do MPMG, MPF e DPMG define as responsabilidades de cada instituição no processo de construção dos projetos executivos e de execução de duas obras.


A primeira refere-se à Adutora de Interligação R10-R13, que ampliará a interligação entre os sistemas Paraopeba e Velhas, responsáveis pelo abastecimento da RMBH, aumentando a resiliência dos sistemas e permitindo a flexibilização do atendimento à demanda de água tratada em situações normais e/ou de contingência.


A segunda obra é a Ampliação do Sistema Rio Manso, que produz hoje, m média 5,8 m³/s, e que por meio da intervenção, passará a produzir, em média 9,0 m³/s, sendo dimensionado para operar com até 10,3 m³/s em regime de 21 horas diárias, para otimização energética.


Assinaram o Acordo o promotor de Justiça Carlos Eduardo Ferreira Pinto, a secretária de Estado Luísa Barreto; o chefe de gabinete da Copasa, João Luiz Teixeira Andrade; a defensora pública-geral, Raquel Gomes; e a defensora pública, Carolina Morishita.


Para o promotor de Justiça Carlos Eduardo Ferreira Pinto, coordenador do Caoma, do MPMG, mais do que uma ação ou uma divulgação, o Projeto Água & Sustentabilidade: Segurança Hídrica para a RMBH é um legado. “Ele nasce com o rompimento da barragem de Brumadinho e com a Lei Mar de Lama Nunca Mais voltada a descaracterizar as estruturas que, em caso de um possível rompimento, trariam um caos para Belo Horizonte e região, com um grande impacto no acesso à água potável”, destaca.


Ainda conforme o promotor, o projeto surgiu de uma ação estratégica do MPMG. “Hoje, assinamos o 6º aditivo de vários acordos nos quais se estruturam eixos de proteção à sociedade. Esse aditivo é fundamental porque, além das obras de redundância na captação, traz programas fundamentais para cuidar da água, dos rios, sobretudo dos afluentes do Rios das velhas e Paraopeba, com grandes projetos ambientais para que a sociedade mineira tenha garantido o acesso à água”, afirma.


A secretária de Estado de Planejamento e Gestão, Luísa Cardoso Barreto, esclarece que a RMBH é abastecida por dois sistemas, Paraopeba e Rio das Velhas e que o abastecimento de água foi impactado por conta do rompimento da barragem. “Percebemos, a partir daquele momento, que havia necessidade de ampliação da resiliência hídrica da região metropolitana. O Sistema Paraopeba, que foi danificado, precisava ser revisto. Concluímos também pela necessidade de transposição entre os dois sistemas e uma série de outras ações ficaram evidentes naquele momento”.


Ainda em 2019, de acordo com Luísa Barreto, foi estabelecido o primeiro plano emergencial e depois, seguido desse plano, ações estruturantes. “Para garantir a resiliência hídrica da região metropolitana no médio e no longo prazo estamos assinando alguns acordos que basicamente garantem a execução dessas obras que trarão a segurança hídrica para a RMBH nesse longo prazo, sobretudo a transposição dos sistemas Paraopeba e Velhas. Serão investidos R$ 2 bilhões e o sistema de abastecimento ficará resistente a eventuais desastres que a gente espera que não aconteçam”, ressalta a secretária.


O diretor-geral do Igam, Marcelo da Fonseca, observa que a assinatura representa mais uma ação em prol da proteção hídrica da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Ele lembra que o Projeto Água & Sustentabilidade: Segurança Hídrica para a RMBH não é composto apenas pelos instrumentos que foram firmados nesta sexta-feira. “Além do Acordo de Reparação Integral do rompimento de Brumadinho, que proporcionará os recursos para a execução das duas intervenções previstas no ACT, foram firmados 8 Termos de Compromisso, com iniciativas que foram agrupadas em eixos: Ações Emergenciais, Expansão e Modernização e Proteção Ambiental”, afirma.


No primeiro Eixo, há uma série de ações já concluídas, como o próprio plano de contingência da RMBH. Dentro do projeto, a recente captação instalada no Rio Paraopeba, com previsão de entrega em dezembro de 2023, vai garantir uma nova vazão de 5 mil litros por segundo. A ETA Bela Fama passou por obras para proteção da captação de água. Ainda, foram implantados 33 pontos de hidrante e implantação e reativação de 40 sistemas de abastecimento complementares para uso emergencial de clientes sensíveis como hospitais, escolas e presídios.


Está em vias de conclusão a implantação do sistema de abastecimento complementar de Sabará e já foram entregues um novo sistema para abastecimento emergencial de Nova Lima e a reativação de poços do vetor Norte.


Em relação ao tema Expansão e Modernização, foi prevista a elaboração de seis projetos de estruturação dos sistemas de abastecimento. Três deles já possuem estudos de viabilidade e projeto básico elaborados, e agora seguem para fase de elaboração de projeto executivo e execução das obras. São eles: Adutora de Interligação R10-R13 e Ampliação do Sistema Rio Manso, projetos que serão objeto do Acordo de Cooperação Técnica, além da modernização da capacidade de tratamento da ETA Bela Fama.


Para o eixo de Proteção Ambiental foi destinada a quantia de R$ 45 milhões para projetos voltados à proteção, restauração e monitoramento dos mananciais que abastecem a RMBH. Os projetos serão construídos em conjunto com os comitês das bacias hidrográficas, o Igam e a agência executiva das bacias, com participação da sociedade civil.


Fonte: Semad/Ascom com informações do MPMG.

16 visualizações

Comments


bottom of page