Encarte da ANA reúne informações sobre rio Doce antes e depois do rompimento da barragem de Mariana

06/04/2016

Rio Doce (MG) após o desastre de Mariana

 Foto: Ney Murtha / Banco de Imagens ANA

 

 

A Agência Nacional de Águas disponibiliza o Encarte Especial sobre a Bacia do Rio Doce: Rompimento da Barragem em Mariana. O objetivo da publicação é descrever as características da bacia antes do rompimento da barragem de Fundão e os principais impactos na qualidade e nos usos da água a partir do desastre, que foram de grande magnitude extrapolando os efeitos sobre recursos hídricos. As informações e análises reunidas se referem aos cursos de água doce, portanto, não inclui zona costeira e marítima.

 

A primeira parte da publicação traz informações sobre os aspectos físicos, políticos e econômicos da Bacia, barragens de mineração, usinas hidrelétricas existentes, além das condições e vulnerabilidades já apontadas pelo Plano Integrado de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Doce, elaborado entre 2008 e 2009. Também há detalhes sobre a gestão da Bacia, que além de um Comitê para toda a Bacia hidrográfica, criado em 2002, possui ainda dez comitês de bacias hidrográficas instalados em afluentes do rio Doce, sendo seis em Minas Gerais e quatro no Espírito Santo.

 

A partir da página 22, a publicação traz a descrição do evento de Mariana  e os impactos gerados, principalmente na qualidade e nos usos da água que são detalhados a partir da página 30 com base nos trabalhos realizados pela ANA, pelo Instituto Mineiro de Gestão da Águas (Igam), Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema), órgão gestor do Espírito Santo, e pelo  Serviço Geológico do Brasil (CPRM), autarquia vinculada ao Ministério de Minas e Energia.

 

A bacia do rio Doce abrange parte dos estados de Minas Gerais e Espírito Santo. Seu Plano Integrado de Recursos Hídricos já apontava a qualidade das águas como uma das questões cruciais da Bacia. O Plano considerou as ações de saneamento e controle de erosão como as metas mais ambiciosas incorporadas em seu escopo.

 

Segundo o encarte, as principais atividades de exploração mineral na bacia são aquelas relacionadas à extração de ferro e minério de ferro, presentes em parte das cabeceiras na porção mineira, destacadamente nas bacias dos rios Piracicaba e do Carmo, e a extração de rochas ornamentais, distribuídas principalmente na porção capixaba. As duas principais mineradoras que atuam na bacia são a Vale e a Samarco Mineração, as duas maiores produtoras de minério de ferro do País. A bacia possui 69 barragens de mineração.

 

Os cursos d’água da bacia do rio Doce funcionam como canais receptores, transportadores e autodepurado­res dos rejeitos e efluentes produzidos por essas atividades econômicas e dos esgotos domésticos da grande maioria dos municípios ali existentes, o que compromete a qualidade da água. A falta de tratamento dos esgotos domésticos é um dos principais problemas verificados na bacia. Segundo o Atlas Brasil de Despoluição de Bacias Hidrográficas: Tratamento de Esgotos Urbanos, estudo em andamento na Agência Nacional de Águas (ANA), apenas 41 das 209 cidades localizadas na bacia do rio Doce apre­sentam serviços de coleta e tratamento de esgotos, sendo que 28 dessas cidades tratam mais da metade do esgoto que produzem.

 

O desastre trouxe modificações importantes e consequências significativas para diversas situações analisadas. Picos de concentração de diferentes parâmetros medidos foram identificados durante a passagem da onda de rejeitos, com clara tendên­cia de queda para todos os parâmetros analisados até o final do monitoramento emergencial realizado pelo IGAM, com valores mais próximos aos registrados antes do evento.

 

A qualidade da água do rio Doce estará sujeita a variações decorrentes da liberação da massa de rejeitos acumulada em sua calha quando da ocorrência de chuvas e consequente aumento da vazão, intervenções físicas abruptas no rio e outras ações antrópicas. Nesse contexto, poderão ocorrer novos picos de turbidez, queda de oxigênio dissolvido, aumento temporário da concentração de me­tais e prejuízos para os diversos usos de água da bacia, o que requer acompanhamento e o tratamento adequado pelas companhias de saneamento da região.

 

Clique para ler o Encarte Especial da Bacia do Doce, que é parte da coleção Conjuntura dos Recursos Hídricos, publicação elaborada anualmente pela ANA. Conheça também o Encarte Especial sobre as Regiões Hidrográficas Brasileiras, o Encarte Especial sobre a Crise Hídrica e a última edição do Conjuntura dos Recursos Hídricos do Brasil - 2015.
 

Texto: Cláudia Dianni - ASCOM/ANA

 

Para mais informações: www.ana.gov.br

Please reload

Design & Marketing

Criatividade Coletiva - Inteligência de Marketing para Eventos