No Dia Mundial da Águas os CBHs do Brasil compartilham experiências exitosas

29/03/2018

 

A Oficina de Intercâmbio de Experiências entre Organismos de Bacia Hidrográfica foi realizada no 22/03/2018, no espaço Águas em Movimento, na Vila Cidadã durante o 8º Fórum Mundial das Águas.

 

O intercâmbio de experiências dos comitês de bacias converge para o tema do 8º Fórum Mundial da Água “Compartilhando Água”, a atividade tinha como objetivo promover a apresentação de experiências exitosas desenvolvidas pelos comitês de bacias no Brasil e em outros países, em especial, com ênfase para a mobilização social, atividades de educação ambiental, planejamento ou recuperação de áreas degradadas. A gestão participativa dos Recursos Hídricos conta com a articulação e apoio de Organismos de Bacias. No Brasil atualmente mais de 240 comitês de bacias hidrográficas participam ativamente da gestão das águas nas bacias hidrográficas.

 

 

A abertura da Oficina contou com a presença do Ex-Secretário de Recursos Hídricos do Brasil e ex-diretor-presidente da Agência Nacional de Águas no Brasil, Vicente Andreu. Ele afirmou “nossa legislação é muito ousada” por apostar na criação de um sistema nacional e implementação dos comitês de bacia hidrográfica”. É evidente que os Comitês de Bacia enfrentam dificuldades, mas sem dúvida é o espaço que nós precisamos apostar para que o sistema nacional seja consolidado”. Reconheceu a necessidade de fortalecimento dos sistema nacional e os estaduais, mas destacou a atuação de diversos comitês no enfrentamento às crises hídricas que tem afetado várias regiões no Brasil. “Temos que perseverar, temos que perseverar em torno dos comitês de bacia hidrográfica, e penso que a realização do 8º Fórum Mundial das Águas aqui no Brasil e fortalecimento da participação dos comitês e dos Fóruns Estaduais é algo que não terá retrocesso”.

O Presidente do CBH do Rio Passo Fundo: e Coordenador do Fórum Gaúcho de Comitês, Claudir Luiz Alves, apresentou o Projeto Rio Passo Fundo, Patrimônio histórico, Cultural, Econômico e Ambiental. Ele relatou que o projeto está sendo executado pela Fundação Universidade de Passo Fundo, através da Vice Reitoria de Extensão. Para o desenvolvimento do projeto foram feitas expedições investigativas, na busca de informações na Bacia Hidrográfica do Rio Passo Fundo, informações históricas, culturais, ambiental e política/econômica, na busca de montar um banco de dados. Após o levantamento das informações e entrevistas realizadas a campo, será montada exposição, dentro do Museu Histórico Regional; Museu Ruth Shinaider e Museu Augusto Rusch, e ainda, “uma exposição itinerante que vai aos municípios, sempre que solicitado”.  As ações possuem o patrocínio da Caixa Econômica Federal, através do fundo Caixa de incentivo a Cultura, com um aporte financeiro de 300 mil reais.

 

 

A experiência do CBH Coruripe sobre a Recuperação de nascentes foi apresentada por Adriana Cavalcanti. A Coordenadora do Fórum Alagoano de Comitês, Maria Elza Messias, destacou que o projeto está sendo desenvolvido através de parcerias entre a UNEAL e Governo do Estado, e que já foram recuperadas cerca de 150 nascentes na bacia. “Também fomos contemplados pelo Petrobrás Ambiental” trabalhando a recuperação de nascentes e mata ciliar. A partir de maio “iniciaremos o plantio das mudas que serão fornecidas pelo Governo do Estado.” Para conhecer mais sobre os projetos da bacia, disse Elza, acesse o site: http://www.projetorecor.org/

 

 

 

Aldo Azevedo, membro do CBH Rio Formoso e Diretor de Recursos Hídricos da Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado de Tocantins foi responsável pela apresentação dos CBHs Rio Formoso, Rio Manuel Alves, Lago de Palmas e Lontra e Corda sobre o Projeto de revitalização de bacias hidrográficas do Tocantins. Segundo o presidente do Fórum Tocantinense de Comitê, Itamar Xavier da Silva, os relatos apresentados são das ações desenvolvidas pela SEMARH/TO com verba do Fundo Estadual de Recursos Hídricos, relatou Itamar. Segundo ele, foi desenvolvido um projeto chamado “Barraginhas” que conta com a participação da comunidade. Também foi realizado um levantamento, onde foram identificadas 50 pontos para recuperação de nascentes. “A produção das mudas está bem adiantada e em breve iniciaremos a parceria com os proprietários da terra para a realização do plantio das mudas”, finalizou Itamar.

                                                      

Outras experiências apresentadas foram:

 

  • CBH Miranda: Desafios da gestão e fortalecimento do CBH Miranda.

  • Comitês de bacias dos Estado de São Paulo: Educação Ambiental e mobilização para a gestão dos recursos hídricos – Diálogos interbacias

  • CBH Piancó Piranhas Açu: Gestão participativa na crise hídrica na bacia hidrográfica dos rios Piancó Piranhas Açu

  • CBH Ipojuca: Programa de saneamento ambiental bacia Rio Ipojuca

  • CBH Paramirim e Santo Antônio: Conflito pelo uso da Água na Bacia Hidrográfica

  • CBH Pitimbu e Pirangi: Concepção metodologia da área de atuação do CBH Pitimbu e Pirangi.

  • CBH Covapé, CBH Sepotuba, CBH Baixo Teles Pires, CBH Alto Teles Pires, CBH São Lourenço: Experiências exitosas dos CBHs de Mato Grosso.

  • CBH Paracatu: Nascentes do Rio Paracatu

  • CBH do Rio Meia Ponte: Programa produtor de água da bacia do Rio João Leite

 

 

Matéria produzida por Fernanda Matos / Fotos Fernanda Matos

 

 

Please reload

Criatividade Coletiva - Inteligência de Marketing para Eventos