Sumário da água

Blog da REBOB

As cartilhas do Ziraldo: Gênero e Água

Dulce Tupy



O ano de 2009, comemorou no Brasil os 10 anos da Lei das Águas. Entre as comemorações, foram publicadas quatro cartilhas editadas pela ONG holandeza Gender and Water Alliance (GWA) em parceria com a CAP-Net/PNUD, órgão vinculado à ONU, com apoio do Ministério do Meio Ambiente (MMA) e Instituto Ipanema. Elaboradas pelo desenhista brasileiro Ziraldo, com base em roteiro do professor Damétrio Cristofidis, da UNB (Universidade de Brasília), e da diretora do Instituto Ipanema, Ninom Machado, as cartilhas ressaltaram a importância da questão de gênero na gestão da água.


Em junho de 2009, a GWA e a CAP-Net, em parceria com o Instituto Ipanema, MMA, Governo de Pernambuco e outros apoiadores, promoveram a “Oficina de Capacitação de Multiplicadores para a Comunidade Lusófona”, em Recife, onde foram apresentadas pioneiramente as cartilhas Gênero e Água, entre outros projetos. Na ocasião, foram capacitadas cerca de 40 pessoas, entre técnicos e técnicas, professores, estudantes, biólogos e uma jornalista, entre outras categorias profissionais de diversos países: Brasil, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde, Portugal, Espanha e México.


Com uma didática simples e abrangente, as quatro cartilhas são: 1. Visão de Gênero: o que é isso?; 2. Gênero, Água, Saneamento e Saúde; 3. Gênero, Água e Eventos Climáticos; e 4. Gênero, Água, Agricultura e Alimento. Desde então, as cartilhas do Ziraldo têm sido apresentadas em vários espaços: oficinas, palestras, debates, fóruns, encontros, congressos, rodas de conversa, associações profissionais e populares etc. As cartilhas geraram um forte impacto no grupo, embora tenham sido apresentadas apenas em sua versão digital - um DVD - e não impressas em papel.


No Rio de Janeiro, as cartilhas foram apresentadas na Jornada Temática “Educação Ambiental, Gênero e Água”, ocorrida durante o “VI Fórum Brasileiro de Educação Ambiental”, em julho de 2009, na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). Única jornalista presente tanto na “Oficina de Capacitação”, em Recife, como na “Jornada Temática” no Fórum de Educação Ambiental, no Rio, a jornalista Dulce Tupy se encantou com o projeto e assumiu a divulgação das cartilhas em seu município, Saquarema-RJ, onde vive há 30 anos, editando o jornal O Saquá e publicando jornais e livros da Tupy Comunicações.


Durante um seminário promovido pelo “Fórum da Agenda 21 – Saquarema”, no Instituto Social Madre Maria das Neves, foi feita então uma apresentação das cartilhas, inclusive com a participação do Instituto Ipanema como convidado. Em seguida, as cartilhas foram apresentadas também na AMEAS (Associação de Mulheres Empreendedoras Acontecendo em Saquarema) e na ONG Anima, no Rio de Janeiro, para mulheres da Cruzada São Sebastião. As cartilhas foram apresentadas ainda no Comitê da Bacia Hidrográfica Lagos São João (CBHLSJ), em Araruama. De uso comum, as cartilhas do Ziraldo foram também divulgadas nos sites do MMA e da ONG SOS Mata Atlântica, podendo ser reproduzidas gratuitamente, desde que citadas as fontes.


Em seguida, as cartilhas foram utilizadas como base de um projeto de Educação Ambiental do SubComitê das Lagoas de Saquarema, Jaconé e Jacarepiá - que faz parte do CBHLSJ - para serem adotadas em municípios da Baixada Litorânea do Rio de Janeiro, prioritariamente em Saquarema, Araruama e Silva Jardim. Aprovado por unanimidade, o projeto “Gênero, Água e Saneamento” aguarda sua execução, no âmbito do CBHLSJ, ainda este ano.


O futuro das cartilhas


Pouco antes da pandemia de Covid-19, no final de 2019, o projeto “Gênero, Água e Saneamento”, baseado nas cartilhas do Ziraldo, foram apresentadas no XXI ENCOB (Encontro Nacional dos Comitês de Bacias Hidrográficas), realizado em Foz do Iguaçu, no Paraná. A apresentação foi no estande do CBHLSJ, próximo da área destinada à exposição dos banners e divulgação dos participantes. No final do ano, o projeto com as cartilhas foi apresentado também no “Segundo Simpósio da Rede Águas, Sustentabilidade e Segurança Alimentar”, realizado no Conselho Regional de Engenharia e Agricultura (CREA-RJ) com o tema “Águas, Florestas e Cidades + Verdes”.


No início de 2021, já com a pandemia disseminada em todo o mundo, o PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), promoveu o Projeto de Territorialização dos ODS (Objetivos do Desenvolvimento Sustentável), com patrocíneo da Petrobras, em 119 municípios do Brasil, totalmente on line. Em Saquarema, um dos trabalhos apresentados foi o “Gênero, Água e Saneamento”. Este trabalho final foi selecionado para a Primeira Mostra de Projetos Virtuais sobre os 17 ODS, com práticas inovadoras do desenvolvimento sustentável, realizado pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Campus Caxias, no municpipio de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.


O projeto “Gênero, Água e Saneamento”, adaptado aos ODS, foi então também apresentado diretamente a algumas secretarias municipais de Saquarema (a de Educação, a de Cultura e a da Mulher), porém aguarda execução, principalmente após a atualização no ano passado do Plano Diretor Sustentável, elaborado de forma participativa. Afinal, Gênero e Água são indissolúveis na gestão das águas, fato que vem sendo reconhecido cada vez mais em todos os fóruns ambientais, em todo o Brasil e no planeta.


As cartilhas do Ziraldo “Gênero e Água”, editadas há mais de 10 anos, portanto, continuam sua trajetória, como um valioso instrumento de educação ambiental, principalmente nas comunidades periféricas e rurais. Com uma linguagem simples e direta, típica de história em quadrinho, com forte colocrido e apelo popular - além do traço inigualável do célebre desenhista, Ziraldo, reconhecido internacionalmente - as cartilhas foram traduzidas em várias línguas e vêm sendo aplicadas em diversos países. Com a atual crise hídrica mundial e as mundaças climáticas que atingem as populações mais carentes do mundo, é oportuno se voltar para essas cartilhas publicadas há tanto tempo, mas que continuam vivas e atuantes, em vários países, inclusive no Brasil.


Dulce Tupy, é Jornalista, edita o jornal O SAQUÁ e dirige a TUPY Comunicações. Cofundadora do Consórcio Intermunicipal Lagos São João, é membro do CBHLSJ. Ativista ambiental. Membro da Rede da GWA e outras ONGs.



293 visualizações