Sumário da água

Blog da REBOB

Pantanal – Localização e Caracterização


Casal de araras-azuis, espécie encontrada no Pantanal e atualmente na lista de ameaçadas de extinção.


O Pantanal é o menor bioma brasileiro, encontrado em menos de 3% do território do país, mas que possui a maior planície de inundação do mundo e apresenta uma interseção com outros biomas, como a Amazônia, o Cerrado e a Mata Atlântica.


Tais características, criaram ambientes únicos, com espécies da fauna e da flora perfeitamente adaptadas a esta conformação diversa e rica de interações ecossistêmicas.


Casal de araras-azuis, espécie encontrada no Pantanal e atualmente na lista de ameaçadas de extinção.


Localização do Pantanal


O Pantanal se localiza em grande parte do centro-oeste brasileiro e se estende pela Argentina, Bolívia e Paraguai, onde recebe outras denominações.


Dificilmente pode ser estabelecido um cálculo exato de suas dimensões, mas a porção brasileira, localizada em partes dos estados do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul, está estimada em cerca de 150.000 Km².



Mapa de localização do Pantanal no território brasileiro.

Fonte: Alta Montanha.

Encontrado no centro do Continente Sul-Americano, o Pantanal é circundado, do lado brasileiro (Norte, Leste e Sudeste), por terrenos de altitude entre 600-700 metros, entre os paralelos de 150 a 220º de latitude sul e os meridianos de 550 e 580º de longitude oeste.


Estende-se a oeste até os contrafortes da Cordilheira dos Andes e se prolonga ao sul pelas planícies pampeanas centrais.


Exemplos de cidades localizadas no pantanal brasileiro:


  • Corumbá (MS)

  • Miranda (MS)

  • Aquidauana (MS)

  • Cáceres (MT)

  • Barão de Melgaço (MT)


Caracterização do Pantanal     


Na região pantaneira, a paisagem altera-se profundamente nas duas estações bem definidas do ano: a seca e a chuvosa.


Influenciado diretamente pela hidrografia da região e suas características climáticas, durante a seca, nos campos extensos cobertos predominantemente por gramíneas e vegetação de cerrado, a água chega a escassear, restringindo-se aos rios perenes de leitos definidos, às lagoas próximas a esses rios e a alguns banhados em áreas mais rebaixadas da planície.


Exemplares de tuiuiú e lobo-guará caminhando em margem seca de rio.

Fonte: Redação Agro.


Estação Seca


  • De abril a setembro: é a estação seca ou de inverno, com chuvas raras e temperatura bastante agradável. Durante o dia, pode fazer calor, mas as noites são frescas ou frias.

A temperatura, bastante elevada, só cai durante e logo após as pancadas de chuvas fortes, voltando a subir até que novamente as volumosas massas de água desabem sobre a região.


A partir de março, o nível das águas vai baixando e o Pantanal começa a secar. No ápice da seca, entre julho e setembro, a água fica restrita aos leitos dos rios ou aos banhados e lagoas localizadas em porções baixas da planície, em permanente comunicação com os rios ou com o lençol freático.


As primeiras chuvas da estação caem sobre um solo seco e poroso e são facilmente absorvidas. Com o constante umedecimento da terra, a planície rapidamente se torna verde devido ao rebrotamento de inúmeras espécies resistentes à falta de água dos meses precedentes.


É quando o Pantanal, úmido e quente, transforma-se em um imenso alagado onde os rios, banhados e lagoas se misturam.


Paisagem do Pantanal.

Estação Chuvosa


  • De outubro a março: o Pantanal vive o período das cheias ou de verão. A vegetação muda segundo o tipo de solo e de inundação, predominando espécies de cerrado nas terras arenosas – conhecido como Pantanal Alto – e gramíneas nas terras argilosas, do Pantanal Baixo.


Por que o Pantanal alaga?


Com as cheias, durante a época das chuvas, as depressões e planícies são inundadas, formando extensos lagos, reconhecidos como Baías, de extrema beleza, principalmente se forem alcalinas. Apresentam diferentes cores em suas águas, de acordo com as algas que ali se desenvolvem, e criam matizes de verde, amarelo, azul, vermelho ou preto.


Este fenômeno natural é de extrema importância, pois com a subida das águas, volumosa quantidade de matéria orgânica é carregada pela correnteza a grandes distâncias.


Durante a vazante, esses detritos são depositados nas margens e praias de rios, lagoas e banhados, passando a se constituir em elementos fertilizantes do solo, além de fonte de alimento para diversas espécies, se caracterizando por um período de maior abundância.


Em função desta dinâmica hídrica, relevos similares a forma de uma concha e suas características geológicas, é possível encontrar paisagens do Pantanal que ficam permanentemente alagadas, que são inundadas na época das chuvas e as que permanecem livre de enchentes.


Maria Beatriz Ayello Leite Redação Ambientebrasil



Fonte: Ambientebrasil

23 visualizações