Sumário da água

Blog da REBOB

Por que não podemos obter água potável do oceano?


Pixabay

Durante séculos, as pessoas tentaram extrair água doce do oceano. No século XVI, os navios transportavam pequenas destilarias que podiam ser usadas em caso de emergência para ferver a água do mar. No entanto, tentar fazer isso em grande escala tem problemas da mesma magnitude.


A água cobre dois terços do planeta, mais do que suficiente para todos os seres humanos beberem… se não fosse tão salgada. Em um contexto em que as mudanças climáticas e o crescimento populacional pressionam as fontes tradicionais de água, especialista revela por que a dessalinização ainda é um sonho inatingível


Como diz Frank Rogalla: “É uma questão de energia. A dessalinização da água requer dez vezes mais energia do que qualquer outra fonte de água ».

A pegada de carbono da dessalinização da água é considerável: usinas industriais de dessalinização, como a enorme de Ras al-Khair, na Arábia Saudita, geralmente exigem suas próprias usinas de energia.


Embora as primeiras usinas de dessalinização fossem baseadas em água salgada fervente, na década de 1970, uma crise de energia acelerou o surgimento de usinas de osmose reversa, que usam altas pressões para forçar a água salgada através de uma membrana que retém o sal de um lado. Este processo usa cerca de metade da energia da água fervente, mas ainda requer cerca de 4 kWh para produzir um metro cúbico de água potável.


Isso torna outras estratégias para comunidades atingidas pela seca, como armazenamento e reuso de água, muito mais pragmáticas.


“A água dessalinizada é muito cara para a maioria dos casos de uso”, acrescenta Rogalla. É caro do ponto de vista de infraestrutura e custo de energia, por isso é um último recurso.”

Alega ainda que as usinas de dessalinização construídas na Espanha deixaram de ser usadas quando os agricultores se recusaram a pagar os altos custos da água que produziam.


No entanto, existem alguns truques que podem tornar a água do mar mais palatável. A primeira é evitar os oceanos.


“Em vez da água do mar, a dessalinização geralmente usa água salobra como ponto de partida”, explica Rogalla.

Isso pode vir de aquíferos considerados muito salgados para uso não tratado ou de fontes estuarinas. Esta água é menos salgada do que a água do mar, por isso é necessária menos energia para dessalinizá-la.

No projeto MIDES financiado pela União Européia , Rogalla liderou esforços para aumentar ainda mais a eficiência do processo com a ajuda de bactérias. Esses micróbios foram usados ​​para ajudar a transportar moléculas de sal através de uma membrana, reduzindo ainda mais a energia necessária para criar água potável.


Rogalla diz: “A energia necessária para a dessalinização é diretamente proporcional à concentração de sal, portanto, se pudermos iniciar o processo com energia microbiana, reduzimos a eletricidade necessária”.

Para cada litro de água doce produzida pelas usinas de dessalinização, há um litro de água residual que agora é duas vezes mais salgada. Rogalla vê isso como uma oportunidade:


“Há bons sais na água, como cálcio e magnésio, sais que normalmente são muito caros de se obter”. Sua equipe está estudando maneiras de extrair os vários minerais dissolvidos nessa salmoura residual para uso comercial.

Com o aumento da escassez de água, Rogalla vê a dessalinização como o futuro?


“É uma medida de emergência e apenas parte de uma solução”, diz ele. Primeiro, devemos minimizar o uso e depois reutilizar a água quando possível. A dessalinização é apenas para uma necessidade urgente. Sem todas essas outras ações, simplesmente não é sustentável.”

Fonte: Iagua / Apaptado para Portal Tratamento de Água Traduzido por Jaqueline Morinelli

5 visualizações