Sumário da água

Blog da REBOB

Agência das Bacias PCJ tem ações de sustentabilidade reconhecidas

Pelo segundo ano consecutivo, MMA concede o Selo A3P à Fundação



As boas práticas de gestão baseadas em conceitos de sustentabilidade, implantadas na Agência das Bacias PCJ, foram reconhecidas pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA). Consequentemente, pelo segundo ano consecutivo, o órgão concedeu à entidade o Selo de Monitoramento A3P.


A congratulação é referente ao ano de 2020 e atesta o empenho da instituição no cumprimento das atividades e preenchimento do Sistema de Monitoramento da A3P - RESSOA, do Ministério do Meio Ambiente (MMA), além da entrega rda entrega do , o Relatório de Monitoramento Anual de Implementação da Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P), que complementa as informações apresentadas no respectivo sistema.


Mesmo em um ano atípico, os resultados alcançados ao longo de 2020 são expressivos. Destaque para a evolução de compras públicas sustentáveis. Entre janeiro e dezembro foi registrado aumento de 7% na quantidade de licitações sustentáveis quando comparado ao mesmo período de 2019. Dos 74 processos do ano passado, 13 foram realizadas com critérios sustentáveis – o que representa 18% do total.


Nos últimos 12 meses, mais de 30 quilos de papel fragmentado foram destinados a coleta seletiva. Já a Feira do Livro, que foi adaptada e passou a ser realizada de forma online, disponibilizou 150 títulos. Além disso, também por meio da A3P, a Agência das Bacias PCJ doou seis quilos de tampinhas para o projeto “Atitude Solidária – Tampinha Amiga”. Estas foram transformados em alimentos, medicamentos e vacinas direcionadas a cães e gatos de rua.


As capacitações internas somaram quase 450 horas certificadas. As externas somaram 4.229 horas certificadas em um total de 387 cursos.


O Relatório de Monitoramento referente as atividades de 2020, bem como todo o conteúdo sobre a implementação do programa A3P pela Agência das Bacias PCJ, poderá ser acessado em https://agencia.baciaspcj.org.br/sustentabilidade/a3p-agenda-ambiental-na-administracao-publica/ .



Desafios


E os desafios não param por aí. São muitas as metas traçadas pela comissão da A3P da Agência das Bacias PCJ. Para os próximos 5 anos, o objetivo é reduzir o consumo de energia em 20% e aumentar a ingestão de água mineral em 30%. No período, a meta é substituir 100% dos copos plásticos, além de diminuir em 50% o consumo de papel sulfite. As videoconferências devem crescer 30%.


Com o home office instalado também em 2021, o programa planeja ações que estimulam os colaboradores a darem continuidade as iniciativas de segregação de resíduos em casa, para que estes tenham destinação adequada.



A3P


A adesão voluntária da Agência das Bacias PCJ à A3P, ocorreu em 2018. A iniciativa nasceu com o objetivo de estimular a reflexão sobre a responsabilidade social a partir de práticas classificadas em cinco eixos temáticos: Gestão adequada dos resíduos gerados; Licitação Sustentável Compras públicas e sustentáveis; Qualidade de vida no ambiente de trabalho; Sensibilização e Capacitação dos Colaboradores Servidores; Uso racional dos recursos naturais e bens públicos; e Construções Sustentáveis.



SOBRE A AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ E OS COMITÊS PCJ


A água tem diferentes usos – é fundamental em processos industriais, transporte, produção de alimentos, geração de energia, saneamento básico, entre outros. E gerenciar os valores arrecadados com a cobrança pelo uso dos recursos hídricos é uma das principais responsabilidades da Fundação Agência das Bacias PCJ.


Constituída em 2009, a Agência das Bacias PCJ é uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos que completará 12 anos em 5 de novembro de 2021. As deliberações das ações a serem realizadas pela Agência das Bacias PCJ são feitas pelos Comitês PCJ.


Os três colegiados que formam os Comitês PCJ – Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (CBH-PCJ), Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ FEDERAL) e o Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba-Jaguari (CBH-PJ1) — são as instâncias máximas para a tomada de decisões sobre a gestão de recursos hídricos nas Bacias PCJ, com diretorias integradas.


No dia 18 de novembro, o comitê paulista (CBH-PCJ) comemorou 27 anos de instalação. Em março deste ano, o comitê federal completou 18 anos e o mineiro (CBH-PJ1), 13 anos.


As Bacias PCJ abrangem 71 municípios (66 paulistas e cinco mineiros). Os Comitês PCJ são compostos por representantes dos Governos Federal, dos Estados de São Paulo e de Minas Gerais, dos municípios, usuários dos recursos hídricos e da sociedade civil. Sua gestão é descentralizada e participativa, e busca a convergência das decisões desses colegiados como forma de garantir o desenvolvimento e a continuidade da gestão dos recursos hídricos nas Bacias PCJ.


A região das Bacias PCJ possui cerca de 5,7 milhões de habitantes e responde por cerca de 5% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro e 14% do PIB do estado de São Paulo.


Fonte: Agência das Bacias PCJ

13 visualizações