top of page
Sumário da água

Blog da REBOB

Governo Federal estabelece primeiro bloco de referência de saneamento, no Vale do Jequitinhonha

Governo Federal estabelece primeiro bloco de referência de saneamento do Brasil, no Vale do Jequitinhonha


Foto: Evandro Rodney

Rio Jequitinhonha (acima); o projeto irá beneficiar cerca de 1,4 milhão de pessoas em 96 municípios da região

O Ministério de Desenvolvimento Regional (MDR), aprovou, na última segunda-feira (12/12), a criação do primeiro bloco de municípios para prestação regionalizada de serviços de saneamento do Brasil. O projeto, inédito no país, será desenvolvido no Vale do Jequitinhonha, e irá beneficiar diretamente cerca de 1,4 milhão de pessoas em 96 municípios da região. A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), por meio da Subsecretaria de Gestão Ambiental e Saneamento (Suges), foi responsável pela elaboração dos estudos técnicos utilizados para a criação das Unidades Regionais de Saneamento Básico do Estado. A ação contou com o apoio da Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais (Arsae-MG) e do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG). Entre elas, a Unidade Regional de Água e Esgoto (URAE) 19, onde serão realizados os estudos de viabilidade técnica, econômica e ambiental para estruturação da prestação dos serviços de saneamento básico no Vale do Jequitinhonha. Encontra-se em tramitação junto a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), o Projeto de Lei 2884/21 que propõe as unidades regionais de saneamento no estado de Minas Gerais, sendo 22 Unidades Regionais de Água e Esgoto e 34 Unidades Regionais de Resíduos Sólidos Urbanos. De acordo com a secretária de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Marília Melo, a proposta é criar um ambiente de segurança jurídica para possibilitar a atração de mais investimentos para o setor de saneamento, tanto públicos quanto privados. "A regionalização busca assegurar a sustentabilidade econômico-financeira da prestação dos serviços de saneamento, sem discriminar municípios pobres ou ricos. O Jequitinhonha é uma região historicamente caracterizada pela escassez hídrica, o que torna este projeto ainda mais emblemático do ponto de vista socioambiental", salientou. ETAPAS O projeto piloto de estudo de modelagem para a prestação dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário do bloco de referência será desenvolvido em duas etapas. Durante a primeira fase, de estruturação, serão realizadas as análises de viabilidade técnica, jurídica e econômico-financeira, além de um levantamento dos aspectos ambientais e sociais necessários à construção e consolidação das ações. A segunda fase, de implementação, irá contar com as atividades de sondagem de mercado, road shows, consultas e audiências públicas, elaboração dos documentos de licitação, apoio ao processo licitatório e assinatura do contrato de concessão. No total, serão investidos R$ 25 milhões durante as duas etapas do projeto. "Pretendemos, a partir deste projeto piloto no Vale do Jequitinhonha, desenvolver modelos de negócio economicamente viáveis com a participação também de investimentos privados, que poderão ser replicados em regiões com características similares de outros estados do Brasil", disse o subsecretário de Gestão Ambiental e Saneamento da Semad, Rodrigo Franco.

MARCO LEGAL DO SANEAMENTO A criação das Unidades Regionais de Saneamento, pelos estados, é uma determinação do Novo Marco Legal do Saneamento, aprovado em 2020, que define novo regramento jurídico para o setor, estabelecendo com meta universalizar os serviços de água e esgoto no Brasil até 2033. Minas Gerais foi o primeiro estado do país a desenvolver Bloco de Referência para atuação intermunicipalizada dentro de suas Unidades Regionais de Saneamento, sendo o Bloco de Referência do Jequitinhonha o primeiro a iniciar efetivamente suas ações. Para o secretário nacional de Saneamento do MDR, Pedro Maranhão, a Lei Federal nº 14.026/20, também conhecida como Novo Marco Legal do Saneamento, foi fundamental para garantir recursos para o setor e retomar obras paralisadas. "Com a criação deste Bloco de Referência em Minas Gerais fechamos o ano com "chave de ouro". Essa é uma grande vitória, pois amplia as possibilidades de oferecer à população serviços de saneamento básico cada vez mais acessíveis e adaptados às suas realidades locais", concluiu. Edwaldo Cabidelli Ascom/Sisema

Fonte: Ascom/Sisema

6 visualizações
bottom of page