top of page
Sumário da água

Blog da REBOB

Missão da ANA realiza visita técnica no Projeto de Integração do Rio São Francisco

Missão da ANA realiza visita técnica aos eixos Norte e Leste do Projeto de Integração do Rio São Francisco



Diretores Filipe Sampaio (de colete), Ana Carolina Argolo e Mauricio Abijaodi lado a lado no centro de operações do Eixo Norte do PISF
Diretores Filipe Sampaio (de colete), Ana Carolina Argolo e Mauricio Abijaodi lado a lado no centro de operações do Eixo Norte do PISF

Entre 20 e 23 de junho, uma equipe da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) realiza visita técnica às infraestruturas hídricas tanto do Eixo Norte quanto do Eixo Leste do Projeto de Integração do Rio São Francisco (PISF) – também conhecido como transposição do São Francisco. A diretora Ana Carolina Argolo e os diretores Filipe Sampaio e Mauricio Abijaodi percorrerão Pernambuco, Ceará e Paraíba para conhecerem de perto a operação do PISF, que é uma das maiores obras de infraestrutura hídrica do mundo. A missão da ANA também conta com outros(as) seis servidores(as) da instituição.


No primeiro dia da missão o foco da visita técnica foi o Eixo Norte. O grupo conheceu o canal por onde a água do rio São Francisco entra nesse eixo da transposição em Cabrobó (PE), as estações de bombeamento 1 e 3 (EBI 1 e EBI 3), as barragens de Jati (CE) e Negreiros (PE), além do canal que leva as águas do PISF do reservatório de Jati até o Cinturão das Águas do Ceará (CAC), que abastece a Região Metropolitana de Fortaleza. Na sequência da viagem a equipe da ANA visitará o Eixo Leste e reservatórios que recebem as águas da transposição tanto em Pernambuco quanto na Paraíba.


Equipe da ANA faz visita técnica à barragem de Jati (CE)
Equipe da ANA faz visita técnica à barragem de Jati (CE)

Para a diretora Ana Carolina Argolo, uma missão in loco como essa reflete nas decisões que são tomadas sobre o PISF. “É de extrema relevância [a missão], para nós tomarmos as nossas decisões dentro da Agência, tendo conhecimento da realidade em campo e o que, de fato, as nossas decisões entregam e de onde elas saem”, concluiu a diretora.


O diretor Mauricio Abijaodi também destacou a relevância de se conhecer o cotidiano do PISF para subsidiar a tomada de decisões sobre o tema pela Agência. “A Diretoria da ANA que está aqui presente, fora do escritório, [veio] para conhecer na prática e no dia a dia como é que funciona essa água que está sendo levada para todo o Nordeste Setentrional”, afirmou Abijaodi.


Equipe da ANA conhece o canal que leva as águas do rio São Francisco ao Eixo Norte da transposição
Equipe da ANA conhece o canal que leva as águas do rio São Francisco ao Eixo Norte da transposição

Já o diretor Filipe Sampaio falou sobre a postura da Diretoria da ANA, que tem quatro diretores em início de mandato, no sentido de conhecer de perto a realidade de temas em que a Agência atua e que são estratégicos para o Brasil. “Viemos conhecer aqui a realidade dessa que é uma das principais obras de infraestrutura hídrica do mundo, que é a transposição do São Francisco”, disse o dirigente.


A especialista em regulação de recursos hídricos e saneamento básico da ANA com atuação na temática do PISF, Flávia Barros, pontuou o significado da presença de uma missão da Agência com três dos cinco diretores para conhecer a transposição de perto. “É sempre muito importante que os diretores da ANA venham até a região, conheçam o PISF e tenham a possibilidade de ver a importância do Projeto para a região [Nordeste] e para o País”, concluiu a servidora.


Nessa viagem ao PISF a equipe da ANA é acompanhada por servidores do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), da Agência Pernambucana de Águas e Clima (APAC), da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos do Ceará (COGERH/CE), e do consórcio operador do empreendimento.


Servidores(as) da ANA conhecem o centro de operações do Eixo Norte em Salgueiro (PE)
Servidores(as) da ANA conhecem o centro de operações do Eixo Norte em Salgueiro (PE)

O PISF


O objetivo do PISF é levar água do rio São Francisco a 12 milhões de pessoas em 390 municípios no Ceará, na Paraíba, em Pernambuco e no Rio Grande do Norte, estados historicamente vulneráveis à seca. O Projeto também busca beneficiar 294 comunidades rurais às margens dos canais. O empreendimento abrange a construção de 13 aquedutos, nove estações de bombeamento, 28 reservatórios, nove subestações de 230 quilowatts, 270 quilômetros de linhas de transmissão em alta tensão e quatro túneis. O Eixo Leste tem 217 quilômetros, passando por Pernambuco e Paraíba. O Eixo Norte tem 260km e corta municípios de Pernambuco, Ceará e Paraíba.


No Eixo Norte, as obras do Projeto de Integração do Rio São Francisco passam pelos seguintes municípios: Cabrobó, Salgueiro, Terranova e Verdejante, em Pernambuco; Penaforte, Jati, Brejo Santo, Mauriti e Barro, no Ceará; São José de Piranhas, Monte Horebe e Cajazeiras, na Paraíba. Já no Eixo Leste, o empreendimento atravessa os municípios pernambucanos de Floresta, Custódia, Betânia e Sertânia; e a cidade paraibana de Monteiro


Assessoria Especial de Comunicação Social (ASCOM) Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) (61) 2109-5129/5495/5103 www.gov.br/ana | Facebook | Instagram | Twitter | YouTube | LinkedIn

11 visualizações
bottom of page