Sumário da água

Blog da REBOB

Projeto Rio Vivo chega à marca de 1,76 milhão de peixes nativos soltos nas bacias do Paraná


Foto: Alessandro Vieira
Foto: Alessandro Vieira

No último fim de semana 230 mil peixes nativos foram soltos nos rios Piquiri e Ivaí. Um total de 2,6 milhões de peixes foram adquiridos pelo Governo do Estado e 840 mil devem ser soltos ainda neste ano nas Bacias Hidrográficas do Paraná.

O projeto Rio Vivo, do Governo do Estado, atinge a marca de 1,76 milhão de peixes nativos soltos nas bacias hidrográficas do Paraná. O número foi alcançado no último fim de semana, com a soltura de 230 mil unidades nos rios Piquiri e Ivaí. A Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo (Sedest), responsável pelo projeto, adquiriu 2,6 milhões de peixes nativos e, além da quantidade que já repovoa rios do Estado, outros 840 mil serão incorporados à fauna aquática do Estado até o fim deste ano.


A ação é possibilitada pela Resolução Sedest número 10/2021, que normatiza o repovoamento com peixes nativos das bacias dos rios Paraná, Paranapanema, Ivaí e Iguaçu. A normativa foi desenvolvida pela Superintendência da Pesca e Bacias Hidrográficas do Paraná, vinculada à Sedest.


Os eventos de soltura de peixes nativos têm a participação da sociedade civil, especialmente de estudantes e pessoas da terceira idade, e são acompanhados de plantio de árvores nativas nas margens dos rios. “O projeto Rio Vivo ganhou este nome porque quando o peixe sobrevive na água, é porque ela está limpa”, explica o secretário do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes.

“É um projeto completo, que promove o repovoamento dos rios, para compensar os peixes retirados pelos pescadores para sua sobrevivência, e que também promove a educação ambiental. Estamos plantando os frutos que as futuras gerações irão colher”, destaca o secretário.

O Rio Vivo também apoia torneios de pesca em que os participantes, além de soltar peixes e plantar árvores, recolhem os resíduos sólidos das águas. O secretário Márcio Nunes lembra, ainda, que a ação integra a política de sustentabilidade da pasta ambiental do Estado. “A ONU e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico disseram que no Brasil o Paraná é o estado com melhores praticas ligadas ao meio ambiente, um reconhecimento nacional e internacional”, disse.


ESPÉCIES - Os peixes nativos que agora integram os rios Piquiri e Ivaí foram soltos no rio Piquiri, município de Assis Chateaubriand (região Oeste) e rio Ivaí, em Querência do Norte (Noroeste). Entre as espécies estão lambari, piau, dourado e pintado.


“É um projeto que está dando certo. Está recuperando nossas bacias e dando um novo olhar para o Paraná, que tem essa vocação para pesca profissional e esportiva”, destacou o superintendente da Pesca e Bacias Hidrográficas do Estado, Francisco Martin. “São peixes que estão na medida certa para entrarem na natureza. Não são pequenos demais para virarem presas e não ficaram grandes demais a ponto de perderem a capacidade de caçar”, completou.


Em Assis Chateaubriand, o evento contou também com a parceria do Rotary Club da cidade, no Distrito 4640, que contribuiu com a soltura de mais 35 mil pacus no rio Piquiri. Para o presidente da instituição, Wyllian Gongora, esta é uma ação para perdurar. “Cada um fazendo seu esforço e sua parte, com ações voluntárias, vamos colocar mais de 500 peixes no rio Piquiri e agora contamos com a parceria do Estado”, afirmou.

Foram soltos 230 mil unidades nos rios Piquiri e Ivaí no último final de semana.


Outros 840 mil serão incorporados à fauna aquática do Estado até o fim deste ano.


A ação é possibilitada pela Resolução Sedest nº 10/2021, que normatiza o repovoamento com peixes nativos das bacias dos rios Paraná, Paranapanema, Ivaí e Iguaçu.

Fotos: Alessandro Vieira

Fonte: Instituto Água e Terra

4 visualizações