Sumário da água

Blog da REBOB

Projetos de revitalização de bacias hidrográficas recebem R$ 6 milhões em patrocínios

No total, Programa Águas Brasileiras já captou R$ 48 milhões com empresas parceiras para ações de recuperação e conservação



rasília (DF) – Os primeiros projetos de revitalização de bacias hidrográficas selecionados, em fevereiro deste ano, no edital público do Programa Águas Brasileiras vão receber quase R$ 6 milhões em patrocínio. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (16) pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho. Os valores estão sendo repassados pelas empresas Itaú-Unibanco (R$ 2 milhões), Bradesco (R$ 2 milhões), MRV (R$ 1,6 milhão) e Engie (R$ 302 mil).


O montante anunciado une-se a outros R$ 42 milhões que foram investidos, em 2020, no Projeto Juntos pelo Araguaia, que também integra o Águas Brasileiras. O patrocínio dessa ação foi realizado pelas empresas Anglo American, Rumo Logística e Hyperpharma. No total, o programa coordenado pelo MDR já captou cerca de R$ 48 milhões com a iniciativa privada para ações de recuperação e conservação de bacias hidrográficas.


Segundo o ministro Rogério Marinho, esse processo de revitalização das bacias hidrográficas se traduz em qualidade de vida. “Investir na água é investir no Brasil, na saúde, no meio ambiente, na sustentabilidade”, destacou. “Essa semente que estamos plantando juntos vai frutificar e servir de exemplo para outras empresas, para o terceiro setor e para a sociedade brasileira. O que faremos é o que Brasil espera de nós: responsabilidade com o nosso presente e um legado para o nosso futuro”, afirmou.

Desde dezembro de 2020, o MDR vem apresentando o Programa Águas Brasileiras com o objetivo de mobilizar e engajar empresas que tenham compromisso com a agenda da sustentabilidade, possibilitando que elas possam agregar valor às suas atividades por meio do apoio a práticas sustentáveis em prol da proteção das águas brasileiras.


Projetos patrocinados


No total, 26 projetos foram selecionados em edital público realizado neste ano. Eles contemplam mais de 250 municípios de 10 estados e visam o uso sustentável dos recursos naturais e a melhoria da disponibilidade de água em quantidade e qualidade para os usos múltiplos. Para conhecê-los, acesse este link. Desses projetos, quatro já conseguiram captar patrocínios.


O Itaú-Unibanco investirá R$ 2 milhões no projeto-piloto Desenvolvimento Sustentável e Conservação da Biodiversidade da Bacia Hidrográfica do Tocantins-Araguaia, que será desenvolvido pela Associação Aliança Tropical de Pesquisa da Água. A iniciativa tem como objetivo central a conceituação e estudo da Gestão Integrada dos Recursos Hídricos (GIRH), com a geração de informações em diferentes escalas, permitindo a construção de modelos robustos que possam fornecer previsões sobre fenômenos naturais ou degradação ambiental.


Já o Bradesco também investirá R$ 2 milhões na revitalização, no município de Barra do Garças (MT), dos afluentes do Alto Araguaia para estabelecer um plano replicável para combater processos de degradação dos recursos naturais, aumentando a oferta hídrica e a qualidade das águas nos doze municípios. A organização responsável é o Centro de Pesquisa do Pantanal (CPPO).


“É muito importante para nós esta participação no Programa Águas Brasileiras, tanto do ponto de vista social, como ambiental. Espero que essa aliança cresça e continue trazendo mais apoiadores para essa causa tão essencial”, comentou o superintendente de Sustentabilidade Corporativa do Banco Bradesco, Marcelo Pasquini.


Por sua vez, a MRV repassará R$ 1,6 milhão para o Projeto Agroflorestando Bacias para Conservar Água, executado pela Associação Humana Povo para Povo Brasil. O objetivo é implementar 60 sistemas agroflorestais em duas comunidades quilombolas de Muquém do São Francisco, na Bahia


Por último, a Engie anunciou a destinação de R$ 302 mil para a continuidade de ação de recuperação e proteção de nascentes da Comunidade de Brejo da Brásida, em Sento Sé (BA), estabelecendo o monitoramento e revitalização contínua das áreas.


Selo Aliança pelas Águas Brasileiras


No evento, também foi anunciado o edital para o primeiro chamamento de projetos para recebimento do Selo Aliança pelas Águas Brasileiras. As inscrições estarão abertas a partir do início de julho e seguirão até 30 de setembro. O selo é voltado a projetos de revitalização de bacias hidrográficas financiados por organizações que possuem agenda de sustentabilidade. A iniciativa visa estimular as empresas a patrocinarem projetos no setor, além de conscientizar a sociedade brasileira da importância da preservação das águas brasileiras e incentivar o compartilhamento das boas práticas.


Na estampa do selo, está o pato-mergulhão, embaixador das águas brasileiras e uma das aves mais ameaçadas de extinção das Américas, que vive e se reproduz apenas em rios e cursos d’água extremamente limpos. A ave é considerada um bioindicador ambiental, pois onde é encontrada, há certeza de qualidade dos mananciais e da preservação.


Plataforma Marketplace para Projetos de Revitalização de Bacias


O MDR e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) aproveitaram o evento para apresentar o edital, lançado em parceria, para contratar empresa ou entidade para desenvolver plataforma com o conceito de marketplace. A ferramenta viabilizará o encontro de organizações que elaboram e executam projetos de revitalização de bacias com empresas, fundos nacionais e internacionais e pessoas físicas que buscam engajar-se com a agenda de sustentabilidade ou ASG (ambiental, social e governança). As inscrições estão abertas até 5 de julho e podem ser feitas neste link.


A plataforma vai, ainda, viabilizar o cadastro de projetos que permitirão ações de pagamento por serviços ambientais, aferição de captura e emissão de créditos de carbono, construção de portfólio para acesso a financiamentos, investimentos e mercados que valorizam abordagens sustentáveis.


A empresa ou instituição selecionada realizará a curadoria dos projetos e a disponibilização da tecnologia para cadastro, consulta e patrocínio. Ela também será responsável por criar as condições que permitam às organizações interessadas no patrocínio terem segurança no acesso às informações e às regras pertinentes. Dessa forma, as empresas, cujo negócio principal não seja diretamente relacionado a projetos de revitalização de bacias poderão vincular-se à agenda ASG com o apoio da plataforma, conhecendo e contratando organizações de forma transparente e inteligente.


Fonte: Ministério do Desenvolvimento Regional

21 visualizações